Educação Financeira para todos

03NOV2018 - A compra da casa própria é um passo importante, que exige o máximo de planejamento financeiro, principalmente se a ideia é financiá-la.

Financiamento

Antes de visitar imóveis e se sentir atraído pelas diversas opções, faça um bom levantamento de suas contas, do quanto tem disponível para esta decisão, qual o valor da parcela que cabe no seu orçamento e tenha consciência de que o pagamento exigirá esforço de longo prazo.

Faça uso responsável do crédito. O recomendado é evitar comprometer mais de 30% da sua renda líquida com dívidas. Sim! Quando você financia algo, está assumindo uma dívida, um compromisso que tem prazo para ser cumprido.

Condições de financiamento
A Caixa Econômica Federal (http://www.caixa.gov.br) anunciou em outubro de 2018 aumento do limite de financiamento de imóveis. A medida passou a valer no dia 30 de outubro de 2018.

Segundo informações da Agência Brasil, com a medida, os mutuários poderão financiar imóveis de até R$ 1,5 milhão com juros menores que as taxas de mercado, em todo o País.

Atualmente o teto para financiamentos do SFH corresponde a R$ 950 mil nos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, Minas Gerais e no Distrito Federal. Nas demais localidades do país, o limite de financiamento é R$ 800 mil.

Concedidos com recursos do Fundo de garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da poupança, os financiamentos do SFH cobram juros de até 12% ao ano. Acima desses valores, valem as normas do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), com taxas mais altas e definidas livremente pelo mercado.

Teto permanente
Em novembro de 2016, o CMN tinha reajustado o teto de financiamento de imóveis pelo SFH de R$ 650 mil para R$ 800 mil na maior parte do país, e de R$ 750 mil para R$ 950 mil no Distrito Federal, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em fevereiro do ano passado, o limite foi reajustado para R$ 1,5 milhão por unidade em todas as regiões do país, valor que vigorou até o fim do ano passado.

Em janeiro deste ano, tinham passado a valer o teto anterior, de R$ 950 mil para quatro unidades da Federação, e de R$ 750 mil no restante do país. A restauração do limite de R$ 1,5 milhão tinha sido anunciada no fim de julho, para entrar em vigor em janeiro. Segundo o BC, o novo teto unificado será permanente.

Pesquisa é o melhor caminho
Antes de optar pelo financiamento, a orientação é pesquisar os custos envolvidos e as condições oferecidas tanto pela Caixa, quanto pelos bancos privados.

É bastante comum encontrar taxas de juro diferentes de uma instituição para outra, bem como o percentual do valor a ser financiado. Pesquise, negocie, reflita antes de decidir!

Para acesso às informações da Caixa:
http://www.caixa.gov.br/voce/habitacao/financiamento/aquisicao-imovel-novo/Paginas/default.aspx

Financiamento

Compartilhar