Atualização de privacidade

Lançamos nosso Centro de Privacidade e atualizamos o Aviso de Privacidade. Saiba mais. >

Educação Financeira para todos

Muito se fala no dinheiro como motivo de muitas brigas entre casais. No entanto, você sabia que parceiros, quando aprendem a planejar a vida financeira juntos, conseguem excelentes resultados?

Finanças para casais: como falar de dinheiro, sem brigas?

O desafio está em criar o hábito de organizar as finanças a dois. A prática deve começar nos tempos de namoro, devagar, aprendendo a economizar juntos para um objetivo em comum (um passeio diferente, uma viagem ou mesmo a compra de um bem de maior valor).

Os preparativos de casamento representam também excelente oportunidade de planejamento e organização financeira. Afinal, são muitos itens a conciliar: vão precisar definir prioridades, pesquisar preços, controlar gastos, planejar o pagamento.

No dia-a-dia, o casal pode ir, aos poucos, identificando suas características: quem é mais gastador ou poupador; quem se interessa mais por finanças; quem tolera maior risco na hora de investir etc. O ideal é que o poupador fique responsável pela planilha de orçamento, mas sem assumir tudo sozinho! Ambos precisam participar desse controle, com base no planejamento financeiro que estabeleceram.

Como dividir?
Não há necessidade de caminhos extremos: cada um com sua conta corrente, sem mostrar o saldo ao outro de jeito nenhum, para “proteger sua individualidade” ou, no sentido contrário, abrir uma conta conjunta e dar satisfação até dos centavos gastos na padaria.

A palavra de ordem é o equilíbrio: o casal deve encontrar a alternativa que melhor funcione para eles. Podem manter suas contas individualmente e abrir uma terceira, conjunta, para começarem a poupar. Podem dividir a responsabilidade pelas despesas da casa, com cada um arcando com determinados pagamentos. O importante é: conversar periodicamente a respeito, definir objetivos em comum e estabelecer uma estratégia adequada e justa para o casal.

Quem contribui mais?
A parcela de contribuição deve ser proporcional ao salário: quem ganha mais arca com mais despesas. O casal deve observar sua planilha com atenção, negociando gastos que podem ser descartados ou reduzidos. Nesta hora, é preciso entendimento. Por exemplo: o marido pode abrir mão da assinatura de revista sobre esporte que chega e fica fechada na estante, o mês todo.

Já a esposa pode rever seu plano na academia, pois paga um valor para frequentá-la todos os dias, mas só tem disponibilidade de ir duas vezes por semana. Revejam, ponto a ponto, situações assim.

Criatividade e parceria
Abrir mão de alguns gastos pode ser difícil, se você não tiver um real motivo para isso. Agora, experimente começar a poupar para realizar sua viagem dos sonhos. Você ganha, bem rápido, motivação para economizar dinheiro.

Procurem buscar muita informação sobre finanças, preparando-se para excelentes decisões ao longo da vida. Isso inclui conhecer as diferentes modalidades de investimentos, para que possam guardar dinheiro também para o futuro. Experimentem!

Finanças para casais: como falar de dinheiro, sem brigas?

Compartilhar