Educação Financeira para todos

Na hora de aceitar um novo emprego, além do salário, é comum que os trabalhadores queiram saber mais a respeito dos benefícios oferecidos pelas empresas e, nesse contexto, a assistência médica está entre os principais pontos de discussão.

Como funcionam os planos de saúde corporativos?

Apesar de ser um importante diferencial, vale lembrar que a adesão a esse benefício é opcional: nenhum funcionário é obrigado a contratar o plano de saúde da empresa. A seguir, veja se vale a pena aderir ao benefício.

Os planos corporativos
Os planos de saúde corporativos, ou empresariais, são caracterizados por serem pactuados com grupos de pessoas que se ligam ao serviço por meio de uma pessoa jurídica. Eles costumam ter preços menores do que os individuais, porque os riscos ficam diluídos, devido ao grande número de clientes.

Além disso, esse tipo de plano pode ser feito para o funcionário e seus dependentes, sendo custeado total ou parcialmente pela empresa (pode pagar integralmente a mensalidade do plano ou repassar parte dela ao funcionário).

Vantagens
Entre as vantagens de aderir a um plano corporativo, o custo menor, na comparação com um plano de saúde contratado de forma individual, aparece como um importante diferencial.

Além disso, dependendo do acordado com a empresa, ainda existe uma vantagem tributária: caso o funcionário arque com parte do valor da mensalidade do plano, esse montante pode ser deduzido integralmente no Imposto de Renda, como despesas com saúde, que hoje são ilimitadas. Outra vantagem dos planos corporativos são as carências reduzidas.

Desvantagens
Apesar das vantagens, é importante que o funcionário conheça "o outro lado", isto é, os pontos de atenção importantes na hora de avaliar a contratação de um plano corporativo.

  • Rede credenciada: se o funcionário já possui um plano de saúde, pelo qual é atendido por médicos de sua confiança, vale avaliar a rede de atendimento oferecida pelo plano da empresa. Os planos normalmente trabalham com reembolso, caso o cliente passe por um médico de fora da rede, mas cabe à pessoa avaliar se vale a pena.
  • Desligamento da empresa: embora pareça cedo para pensar nisso, é muito importante procurar saber as regras quanto à continuidade, ou não, do plano de saúde em caso de demissão do funcionário.
  • Doença pré-existente: pessoas com doenças pré-existentes, como diabetes, ou de mais idade, que já possuem plano de saúde, também devem pensar bem antes de aderir a um plano corporativo. No caso de um desligamento da organização, poderão ter dificuldades de acesso a um novo plano com um bom preço e sem carência.

Como funcionam os planos de saúde corporativos?

Compartilhar