Educação Financeira para todos

O dinheiro de plástico vem atraindo cada vez mais consumidores, tanto pela possibilidade de manter o controle das contas (por exemplo, optando pela melhor data e condição de pagamento), como pela segurança de não ter de carregar dinheiro na carteira.

Cartões

Por outro lado, mesmo sendo considerado um meio mais seguro do que o dinheiro em espécie, é importante observar alguns cuidados.

No dia a dia
Procure memorizar sua senha e nunca informe esse código para ninguém. Além disso, ao escolher os números, evite combinações simples e óbvias, como datas de nascimento, iniciais de telefone ou placas de carro, por exemplo. Outra dica é trocar as senhas frequentemente.

Assim que receber o cartão de pagamento, copie os números dele e guarde-os em casa, junto com o telefone da central de atendimento do banco emissor. Esse telefone pode ser obtido na fatura do seu cartão, no verso do cartão ou no site da própria instituição emissora do cartão. Ter esses números em mãos facilita o processo, caso precise comunicar perda ou roubo.

Caso seja necessária a substituição, desbloqueie o novo cartão e destrua imediatamente o antigo.

Uso indevido
Ninguém deve ter acesso ao seu cartão. Lembre-se de que, mesmo se ele for utilizado sem o seu conhecimento, você será inicialmente responsável pelas compras ou pelo dinheiro sacado. Nunca empreste o seu cartão, ainda que seja para parentes ou pessoas de confiança.

Também evite deixá-lo em locais de fácil acesso sem supervisão, como no porta-luvas do carro ou na gaveta do escritório. Fique atento para não passar o número do seu cartão em voz alta, quando estiver em lugar público. Muitos criminosos se aproveitam dessa situação para se apropriar de seus dados.

Na hora das compras
Ao efetuar o pagamento, acompanhe o vendedor até a máquina do cartão, verifique o montante da transação e certifique-se de receber o cartão de volta antes de deixar a loja.

Já quando a compra for pela internet, só forneça o número do seu cartão a sites de procedência confiável e que permitem a transmissão segura de dados. E não se esqueça: os dados devem ser fornecidos apenas depois de iniciar a transação, e não se for solicitado a fazer isso por e-mail, por exemplo.

Mesmo com todos os cuidados, guarde todos os recibos de compras, para depois checá-los junto com a sua fatura.

No caixa automático
Se o local for mal iluminado ou estiver em uma área deserta, utilize outro terminal de autoatendimento. 

Fique de olho nas pessoas à sua volta, para se certificar de que ninguém próximo a você possa ver a sua senha e/ou o montante da transação.

Depois de completar a operação, lembre-se de retirar o cartão e o recibo da máquina. Caso o seu cartão fique retido no caixa automático, desconfie de quem lhe oferecer ajuda, mesmo se lhe parecer o segurança do banco. Evite contato com estranhos e relate o ocorrido ao emissor de seu cartão o mais rápido possível.

Correspondência e telefone
Os fraudadores podem usar outros meios para aplicar golpes, como enviar correspondências fazendo se passar por instituições financeiras, empresas de cartão de crédito ou até mesmo entidades filantrópicas. Para não cair em armadilhas do tipo, veja as dicas: 

  • as instituições financeiras não costumam telefonar nem enviar cartas aos portadores de cartão pedindo dados pessoais ou financeiros. Por isso, nunca forneça essas informações, a não ser que você tenha iniciado a comunicação;
  • caso receba uma chamada lhe solicitando dados de seu cartão, peça detalhes. Se o autor não responder, desconfie;
  • em vez de pedir um número de confirmação ou protocolo, faça uma pesquisa sobre a empresa que ligou para você e ligue na central de atendimento, cujo número consta no site da empresa;

Saiba a quem recorrer
Você tomou todos os cuidados necessários e, mesmo assim, suspeita de que foi vítima de fraude? Nessa situação, a rapidez com que você age pode fazer a diferença.

Primeiro, entre em contato com a central de atendimento do emissor do cartão, alerte sobre a suspeita de fraude e peça o bloqueio imediato do plástico.

Também peça que o banco emissor do seu cartão divulgue um alerta de fraude e exija que tanto o alerta quanto a declaração de vítima sejam mantidos ativos por sete anos.

Para aumentar ainda mais sua segurança, anote o número do protocolo de atendimento e solicite um comprovante do bloqueio ou cancelamento do cartão. Procure fazer ainda um boletim de ocorrência, para deixar claro que você pode ter sido vítima de um crime.

Por fim, a cada passo do processo, não se esqueça de guardar todas as cópias de documentos, e-mails e outras comunicações feitas à central de atendimento do emissor do cartão. Também observe sua fatura com atenção e comunique qualquer transação irregular.

Share