Educação Financeira para todos

19 de abril de 2019

O que considerar na contratação de seguro residencial?

Na hora de contratar um seguro, a primeira medida é apurar o que, exatamente, você está adquirindo: quais são as reais condições do seguro? O que está sendo incluído como cobertura? Existem restrições?

Todas essas informações devem estar claramente listadas na apólice do seu seguro, mas o ideal é apura-las previamente, para que você faça uma boa cotação no mercado, comparando os serviços oferecidos por diferentes companhias de seguro.

Um erro bastante comum é acreditar que seu imóvel (no seguro residencial) ou seu carro (no seguro auto) está completamente coberto, protegido contra qualquer perda financeira em função de uma ocorrência (chamada “sinistro”, no mercado segurador), só porque você contratou um seguro! Cuidado!

O seguro residencial é destinado a casas e apartamentos, sejam de uso habitual (moradia permanente) ou de veraneio. O custo está intimamente relacionado ao risco de que a seguradora venha efetivamente a ter que pagar a indenização. Este risco é bem menor nas residências do que nos veículos.

O custo do seguro varia de acordo com o tipo de cobertura que o segurado deseja (básica ou mais completa). Em geral, o custo anual da apólice varia entre 0,5% e 3% do valor segurado.

Saiba quais informações considerar para escolher seguro residencial

O que entra na cobertura?
Todas as seguradoras são obrigadas a oferecer uma cobertura básica, cobrindo perdas contra raios, explosão ou incêndio, mas também existem coberturas opcionais, como por exemplo, contra danos elétricos e quebra de vidros, inundação, roubo e furto, e até mesmo de responsabilidade civil. Esta última pode ser útil para o caso de um vazamento no seu imóvel causar danos materiais no imóvel de um vizinho.

De que cobertura você precisa?
Antes de contratar um seguro, avalie a que tipo de riscos o seu imóvel está exposto. Por exemplo, que tipo de imóvel você tem: apartamento, casa térrea ou um sobrado? Cabe a você escolher qual cobertura irá contratar: quanto maior o número de coberturas, maiores os gastos.

Se você mora em apartamento, a lei obriga o imóvel a ter seu próprio seguro, mas estes seguros são menos abrangentes, já que, em geral, não cobrem perdas que venham a acontecer em um só apartamento. Portanto, o melhor é contratar um seguro individual que cubra riscos mais específicos do seu imóvel, ou simplesmente só os bens materiais (eletrodomésticos, eletrônicos, etc.) que você possui.

Para sua maior segurança, prepare lista detalhada com bens e aparelhos que serão cobertos pelo seguro, já que muitas seguradoras não realizam vistoria prévia e cabe a você assegurar que a lista detalhada seja anexada à apólice de seguro. Em geral, joias e obras de arte necessitam de cobertura adicional.

Links relacionados:

Proteção patrimonial
http://financaspraticas.com.br/planejar/orcamento/protecao-patrimonial/protecao-patrimonial

Compartilhar


Compartilhar